Trane contrata primeira técnica mulher do grupo na América Latina e reforça compromisso de inclusão e diversidade

Com experiência de 14 anos no setor HVAC-R, Carmosinda Santos é anunciada na empresa, que também mantém o foco no plano de carreira dos profissionais

Alinhado ao compromisso de atingir a paridade de gênero em cargos de liderança e na força de trabalho até 2030, por meio do Paradigm for Parity, a Trane, líder mundial em soluções de climatização para ambientes corporativos e residenciais, acaba de anunciar a contratação de Carmosinda Santos, primeira técnica mulher Sênior da empresa na América Latina.

Em 2016, o PDI (Program for Diversity & Inclusion) lançou o WEN (Rede profissional de mulheres colaboradoras na América Latina) e foi criado o comitê para a região. Desde então, o objetivo global do Women's Employee Network é proporcionar um ambiente que valorize, atraia e cultive talentos diversos na liderança, de uma maneira que tenha um impacto profundo e positivo nos colaboradores e na indústria. De acordo com Juliana Reinhardt, Gerente de Marketing da Trane para América Latina, a diversidade é a primeira etapa, mas o grande desafio é tornar o ambiente inclusivo e criar oportunidades igualitárias.

“De uma forma simples, esta rede de contatos feminina está conectando as pessoas e contribuindo para a construção de relacionamentos. As iniciativas para apoiar o desenvolvimento das profissionais mulheres têm sido feitas não só na companhia, mas também no setor HVAC-R”, aponta a profissional.

Carmosinda Santos é Técnica em Refrigeração e Ar-Condicionado e uma das primeiras mulheres técnicas da América Latina a atuar com chillers e climatizadores de precisão. Hoje, a profissional é um dos maiores nomes do mercado HVAC-R, mas não pense que foi fácil para ela chegar aonde chegou. Ela enfrentou seguidas contestações por ser uma técnica mulher e ouviu inúmeras vezes de clientes para chamarem um “técnico de verdade”. Com muita força de vontade, Carmosinda superou tudo isso e está há 14 anos no setor. Seu interesse pela refrigeração foi despertado quando teve acesso a uma câmara climática que havia na oficina da empresa de representação comercial onde trabalhava como auxiliar de escritório. Para ela, o objetivo agora é ampliar a diversidade no segmento: “Escolhi vir para a Trane pelo propósito. É uma empresa que sempre se mostrou preocupada com a diversidade e agora eu quero trazer mais mulheres para cá!”, avisa Carmosinda.

A Trane busca agora a “quebra de um degrau” em seu pipeline de talentos. O maior obstáculo que as mulheres enfrentam no caminho para a liderança sênior está no primeiro degrau até a chefia. Para cada 100 homens admitidos e promovidos a cargos de gerência, apenas 72 mulheres são contratadas e promovidas.

“Essa desigualdade inicial tem impacto em longo prazo no pipeline de talentos. Se as mulheres forem contratadas e promovidas a gerentes de primeiro nível na mesma proporção que os homens, adicionaremos milhares de mulheres à gestão corporativa nos próximos cinco anos, na América”, afirma Diogo Prado, diretor-geral da Trane no Brasil.

Plano de carreira na Trane

A continuidade dos programas de mentoria, treinamentos internos, ferramentas de capacitação e utilização de recursos e consolidação das melhores práticas promoveram a ascensão de diversos colaboradores dentro da empresa.

Recentemente, Marco Antônio García, que entrou na Trane como Trainee, foi promovido a Engenheiro de Serviços. Outro exemplo de ascensão dentro da empresa é de Josemir Silva, que começou como montador de máquinas e hoje é Técnico Sênior.

“Minha história na Trane já soma mais de três décadas. Comecei trabalhando na fábrica em Diadema como montador de máquinas no setor de selfs, chillers, serpentinas e, após sete anos, fiz o curso de refrigeração e fui transferido para a Assistência Técnica como Técnico Trainee, iniciando minha caminhada na área. Passei por todos os processos de promoção por mérito, dentro do grupo, chegando, após alguns anos, a Técnico Sênior”, afirma Josemir.