Ar-condicionado no verão: cuidados com o equipamento para manter a saúde e o conforto nos ambientes

Por Matheus Lemes

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 24º é a temperatura ideal para qualquer ambiente climatizado, independente da estação do ano. Com a chegada do verão e o predomínio das altas temperaturas, o uso do ar-condicionado torna-se ainda mais comum e necessário. Para lidar com o calor intenso, os equipamentos são utilizados com mais frequência e precisam de cuidados específicos para garantir o melhor desempenho, preservando a saúde e o conforto, além de garantir maior eficiência energética.   

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), para garantir segurança e bem-estar da população, estabeleceu parâmetros mínimos para a qualidade do ar interno, que é essencial para evitar doenças respiratórias e a proliferação de bactérias.

Um dos tópicos apontados pela Agência é a importância da renovação do ar externo. A maioria dos equipamentos residenciais não possuem sistemas que permitam essa renovação e este ar é fundamental para higienizar o ambiente, diminuir odores e taxas de CO², além de evitar o aumento da presença de fungos e bactérias. A falta de cuidados pode causar uma série de problemas ligados à saúde, como o ressecamento da mucosa do aparelho respiratório.

De acordo com especialistas em climatização, a atenção deve começar no momento da compra. É necessário adquirir equipamentos que garantam uma boa distribuição de ar e, principalmente, que estejam adequados aos espaços e fluxo de pessoas nos ambientes. O correto dimensionamento do produto para a área atendida evita que equipamentos superdimensionados possam provocar problemas de operação e desperdício de energia. Segundo dados da EPE (Empresa de Pesquisa Energética), o número de ar-condicionado nas residências brasileiras mais que duplicou entre os anos de 2005 e 2017.

Neste sentido, além dos diferentes tamanhos e potência, é preciso ficar atento aos selos emitidos por órgãos nacionais de verificação de qualidade, como o selo de eficiência Procel, fundamental na escolha. Este indicador traz informações essenciais relacionadas ao desempenho dos produtos, comprovando sua eficiência energética e maior economia durante a utilização do aparelho. Atualmente, o mercado oferece equipamentos que acompanham filtros que garantem maior pureza e fabricados com componentes que não são prejudiciais à camada de ozônio.

A manutenção  é outro item essencial para garantir a qualidade dos equipamentos. As revisões devem ser feitas mensalmente, a depender do tipo de ar-condicionado, e por profissionais capacitados e autorizados pelos respectivos fabricantes. É preciso que os clientes contratem técnicos credenciados, pois é extremamente importante que estes profissionais tenham conhecimento dos modelos que estão realizando os reparos e instalações. Entre os componentes que exigem maior atenção estão filtros, telas de ar, serpentinas (item que realiza a troca de calor do aparelho), gabinete interno e compressores.

Outra dica é manter sempre os espaços devidamente fechados, evitando a saída do ar. Além de ser recomendado o desligamento dos aparelhos por alguns períodos e a abertura de portas e janelas para ventilação natural.

O ar-condicionado pode ser um aliado às diversidades do clima, mas é preciso sempre estar atento aos cuidados dos equipamentos e à qualidade do ar. Atualmente, os aparelhos oferecem facilidades e modernidades que, por meio de ações como estas, são garantidas não só a melhora do ar interno, como a higienização do ambiente com menor risco de proliferação de microorganismos, mas também menos consumo de energia. Tudo para obter o melhor conforto nos ambientes, protegendo a saúde e com baixo impacto ambiental.

Matheus Lemes é Diretor de Serviços da Trane, formado em Engenharia de Controle e Automação Industrial pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), possui MBA Executivo pelo IBMEC e é mestre em Global Business Administration pela Alliance Manchester Business School da Universidade de Manchester